SÃO PAULO - A comodidade do crédito pré-aprovado que os cartões oferecem é, sem dúvida, um grande atrativo para o consumidor na hora de sair às compras. Não é de se surpreender, portanto, que a participação dos cartões de crédito como meio de pagamento vem crescendo a cada ano.

Mas a comodidade não é o único fator que atrai o consumidor: a possibilidade de parcelar a compra, pagando apenas o valor mínimo exigido na fatura, é outro atrativo do dinheiro de plástico.

Pagar apenas o mínimo é arriscado Ainda que o pagamento do valor mínimo, que varia entre 10% e 20% do total da fatura, possa parecer a solução ideal para que você consiga equilibrar o seu orçamento, essa opção deve ser usada com cautela, somente em momentos de grande dificuldade financeira. Adotar como estratégia pagar apenas o mínimo, pode rapidamente levá-lo ao descontrole financeiro.

Afinal, ao pagar apenas o valor mínimo da fatura, você está automaticamente aceitando que o restante da fatura poderá ser financiado com juros. Desta forma, em uma fatura de R$ 1 mil, você pagaria apenas R$ 200 e o restante seria financiado. Assumindo que no mês seguinte você não gastasse mais nada no cartão, sua fatura aumentaria de R$ 800 para R$ 880, assumindo os juros médios de 10,0% ao mês.

Basta que o consumidor gaste mais no cartão no mês seguinte para que o efeito "bola de neve" comece. Como os primeiros meses, em geral, implicam em gastos com impostos, férias e educação, como matrículas nas escolas e compra de material escolar, são comuns os casos de pessoas que em pouco tempo estão atoladas em dívidas.

Renegociar pode ser difícil Muitas vezes, somente quando já estão atolados em dívidas, é que os consumidores tentam a renegociação, acreditando que sejam vítimas de prática abusiva. Na verdade, o que acontece é que poucas pessoas realmente sabem quanto pagam de juros no cartão, de forma que quando vêem sua dívida dobrar em alguns meses, acabam acreditando terem sido vítimas de abuso.

A renegociação em geral é difícil, mas não impossível. Contudo, um erro freqüente entre muitas pessoas é aceitar termos que já sabem de antemão não conseguirão arcar. Para quem está tentando renegociar a dívida do cartão, o melhor é quebrar o cartão e não incorrer em novos gastos, para evitar que a dívida aumente ainda mais.

Além disto, muitas administradoras não aceitam a renegociação, alegando que, se você não consegue pagar a fatura, pode sempre pagar apenas o valor mínimo. Porém, como vimos acima, quitar a dívida do cartão, pagando apenas o mínimo é praticamente impossível.

Financiar no cartão só em emergências Se você está enfrentando uma crise financeira, o melhor é rever com calma o seu orçamento. Avalie o quanto precisaria tomar emprestado e planeje este empréstimo.

Quando o problema não é temporário, emprestar no cartão não é recomendável: os juros são muito altos, e como você não tem como pagar logo a dívida acaba crescendo rapidamente.

Nesses casos, o melhor é tomar dinheiro emprestado por um prazo mais longo, já que os juros são bem menores. Você aí aproveita o período do empréstimo para equilibrar suas contas: cortando gastos e revendo hábitos de consumo.